fbpx

Skincare capilar

A dermatologista Andrea Frange explica como estabelecer uma rotina de autocuidado para os fios

Skincare e rotina de autocuidado são termos que – em um primeiro momento – podem remeter a um assunto sobre pele. Mas assim como a derme, o cabelo também precisa de uma rotina de cuidados para se manter saudável e bonito. “É possível usar a mesma linha de raciocínio aplicada no skincare da pele quando se trata de cuidados com o cabelo,” explica a dermatologista e especialista em tricologia Andrea Frange, da Clínica Luciana Garbelini de São Paulo.

Além disso, a médica reforça que ter uma rotina de cuidados capilar ou pelo menos a consciência da sua importância, facilita a organização para que essa possa ser eficiente, seja nos resultados ou dentro dos afazeres diários. “Assim, é possível identificar os passos do skincare capilar que já fazem parte da rotina de cuidado com o cabelo e como acrescentar certas etapas para suprir todas as necessidades dos fios”. 

Limpeza e esfoliação

Se tratando de cabelo, a limpeza é o principal passo da rotina de autocuidado. E também a etapa que dá início a qualquer skincare. “Nesse caso, muito mais do que pensar no fio, é preciso começar os cuidados capilares pelo couro cabeludo. É lá que se encontram as principais necessidades do cabelo, e estas têm relação direta com a saúde do comprimento”. Além disso, por ser um local quente, úmido, e que acumula resíduos, a importância dessa etapa é ainda maior. “Assim, a limpeza precisa ser feita apenas no couro cabeludo, e o que escorrer do shampoo aplicado nessa área já é o suficiente para limpar o restante.”

A especialista ainda destaca que para essa área pode ser interessante, inclusive, fazer o uso da esfoliação, assim como se costuma fazer na pele. “Já é possível encontrar produtos específicos para o cabelo com essa finalidade. Mas também existe a possibilidade de fazer uma esfoliação caseira”, diz Andrea. “Separe um pouco do shampoo – podendo ser até um de limpeza profunda – e adicione um pouco de açúcar. Aplique a mistura, massageando em movimentos suaves, apenas o couro cabeludo. Não estender para o comprimento a aplicação, já que o atrito pode causar traumas no fio, inclusive gerando frizz. A prática, através das esferas, promove uma esfoliação física na região e como consequência a remoção de células mortas, o que leva a uma limpeza mais profunda do couro cabeludo”.

Hidratação e proteção

A parte da hidratação, de certo modo, fica por conta do próprio organismo. Mas existem práticas que podem ajudar nesse aspecto, ou então atrapalhar. “A pele do couro cabeludo funciona da mesma forma que a derme do restante do corpo. Se for limpa em excesso pode gerar efeito rebote e como consequência produção demasiada de sebo, deixando os fios mais propensos à oleosidade”. E aí especial atenção com o tipo de produto que está sendo utilizado durante a etapa da limpeza. “O uso de shampoos muito adstringentes precisa ser feito com cautela, assim como a aplicação de qualquer emoliente, como condicionador ou máscara, que não devem ser aplicados no couro cabeludo. Estes ficam responsáveis apenas pela hidratação do comprimento.” 

Ao mesmo tempo, deixar de lavar o cabelo ou criar intervalos longos entre uma lavagem e outra também pode comprometer as funções do couro. “O acúmulo de resíduos e oleosidade na região gera caspa, obstrui o folículo capilar, pode contribuir na queda e prejudicar o crescimento.” Doutora Andrea explica que seria interessante lavar os fios, geralmente, a cada dois dias. Mas isso depende da rotina e características de cada cabelo. “A prática de exercícios físicos, por exemplo, é algo que pode exigir adaptações nesse intervalo. Muitas pessoas sentem a necessidade de lavar os fios todos os dias após o treino.” Nesse caso, o interessante é complementar os cuidados, já que além dessa limpeza mais frequente o suor é composto por diversos sais que ressecam o fio. “Passar um óleo para proteger o cabelo antes do exercício ajuda na selando da haste, além de promover uma umectação no cabelo”.

Outro ponto importante a ser ressaltado é sobre a proteção dos fios. Muitos associam a aplicação dos protetores térmicos com o uso de algum aparelho com fonte de calor, mas também é preciso lembrar da ação do sol sobre o cabelo. “Assim como ao usar uma ferramenta a base de calor, o sol queima e danifica os fios. Por isso, é importante em momentos de muita exposição fazer o uso de proteção físicas – como boné – ou reforçar a proteção solar a partir de protetores térmicos mais densos, óleos e até utilizando protetores solares próprios para o cabelo”.

E o cronograma capilar?

Estabelecer uma certa rotina de cuidados capilares não deixa de ser um ‘cronograma capilar’, mas este está mais associado a cuidados intensos e pontuais, que buscam atender as diversas carências capilares. “O cronograma capilar é interessante como uma forma de se organizar para suprir a maior parte das necessidades do cabelo. E que talvez dentro de uma rotina mais prática são etapas que não conseguem estar presentes, ou até mesmo não precisam fazer parte dela. São reposições que podem ser eventuais, em um dia de Day Spa dos fios, por exemplo. Momento de aplicada uma máscara que precisa de um tempo maior para agir – como nutrição e reconstrução – , ou fazendo combinações de produtos na busca por potencializar certos efeitos”.

Tem mais

Existem os itens básicos – assim como em uma rotina de cuidados com a pele – que são fundamentais. E dentro do skincare capilar não é diferente. Por outro lado, ao falar de cabelo, o números itens ou passos extras que podem ser incluídos para incrementar ainda mais esses cuidados são diversos. “Tônicos, spray anti-frizz, cremes para pentear, geleias, entre outras diversas opções de produtos que o mercado capilar oferece como complementos para a rotina de cuidados. Porém, independente de toda a oferta, o importante é lembrar que assim como a pele, cada cabelo tem suas próprias necessidades e se adapta melhor com aplicação ou não de determinado produto. Perceber as necessidades do cabelo e fazer adaptações necessárias, testando diferentes opções, é o mais aconselhável”, indica a dermatologista. 

Sobre Dra. Luciana Garbelini

Dermatologista Formada pela Universidade de Santo Amaro. Residência médica em Dermatologia na Universidade de Santo Amaro, Pós-graduada em cosmiatria e estética no Instituto Superior de Medicina. Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Sobre Dra. Andrea Frange

Dermatologista Formada pela Universidade de Santo Amaro. Residência médica em Dermatologia na Universidade de Santo Amaro. Especialização em Tricologia pelo Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo. Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. 

Compartilhe:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Siga-nos nas Redes Sociais:

Onde Estamos

Rua do Rócio, 423 – Cj 312

Vila Olímpia – São Paulo – SP