Categorias
Cuidados com o cabelo

Queda de cabelo e Covid: existe alguma relação?

Doutora Andrea Frange, especialista em tricologia, tira suas dúvidas

A covid-19  pode trazer efeitos após o fim do ciclo do vírus no corpo. Além de prejuízos relacionados com olfato, paladar e respiração, há relatos de queda de cabelo acentuada após a infecção. A dermatologista especialista em tricologia Andrea Frange, da Clínica Luciana Garbelini de São Paulo, destaca aspectos que podem explicar mais sobre essa relação.

Assim como outras consequências decorrentes da covid, os efeitos posteriores estão sendo descobertos ao mesmo tempo em que se busca saber mais sobre a doença. “As possíveis causas de queda de cabelo como uma das decorrências do coronavírus ainda ficam no campo das probabilidades, como tudo ligado a esse vírus. No entanto, já se sabe que o covid pode causar o eflúvio telógeno agudo, quadro este que acontece quando há uma perda de cabelo acima do normal”, diz a médica.  

No geral, essa queda acentuada pode ser uma das formas de o corpo refletir problemas ou transformações que o organismo passou ou vem passando nos últimos tempos. “Os gatilhos para isso são vários. O uso de medicamentos, por exemplo, – como antibióticos e alguns anti-inflamatórios -, e infecções de uma forma geral. Cirurgias, estresse físico e psicológico, até luto. Além de perda de peso, má qualidade do sono ou comprometimento da alimentação, e consequentemente do fornecimento de nutrientes importantes para o organismo, também podem ter relação com a queda”. 

De acordo com a médica, na covid-19 acontecem alterações inflamatórias no organismo que podem ocasionar o quadro.  “E, pelo que tem se observado, parece que essa queda do cabelo acontece antes – com cerca de dois meses após o fato gerador – quando comparada a outras situações que também podem ser gatilhos para o quadro. E que a queda ocorre com três meses”, afirma Andrea. 

A dermatologista ainda diz que é preciso ter mais atenção se tratando de pacientes que já tem alguma questão que envolva queda de cabelo, caso estes venham a desenvolver covid. “É necessário observar como isso vai impactar no cabelo, se vai apresentar uma queda mais acentuada quando comparada ao seu histórico capilar.”

O que fazer?

Andrea explica que é importante ficar atento se o padrão de queda foge ao normal, sendo importante passar pela análise de um especialista. “Só ele poderá avaliar o quadro e indicar o tratamento ideal para cada caso”. Manter os fios limpos e secos, evitar tração excessiva, desembaraçar com cuidado, são atitudes simples e que devem ser seguidas no dia a dia. “Mas se a queda for programada, ou seja, se o organismo do paciente já iniciou o desprendimento a partir de um gatilho, ela vai acontecer de qualquer forma. Por isso é necessário orientação médica para avaliar a causa do problema e todas as circunstâncias que podem estar envolvidas na queda,” finaliza.

Sobre Dra. Andrea Frange

Dermatologista Formada pela Universidade de Santo Amaro. Residência médica em Dermatologia na Universidade de Santo Amaro. Especialização em Tricologia pelo Hospital do Servidor Público Municipal. Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Categorias
Cuidados com o cabelo

Inverno: os cabelos realmente caem mais nesta época?

Saiba se as estações do ano interferem na saúde dos fios

Queda é um dos principais medos quando se fala de cabelo. E existe uma dúvida comum de que algumas estações do ano como o outono podem intensificar o processo. A dermatologista e especializada em tricologia Andrea Frange esclarece essas dúvidas.

De acordo com a médica, a perda de cabelo ao longo do ano é algo normal, já que estudos mostram que nos animais mamíferos ocorre uma queda sazonal dos pelos. “Existe um tipo de queda de cabelo denominado eflúvio telógeno agudo, no qual, por certo período, ocorre um maior desprendimento de fios do couro cabeludo de forma programada pelo organismo. Esta troca de pelagem ocorre no final do inverno e começo da primavera”, explica a Dra. Andrea.

Um dos aspectos que pode influenciar nessa perda é a percepção do nosso organismo com relação à quantidade de luz no decorrer dos dias. “Durante todo o período do inverno os pelos, que possuem papel de proteção térmica, ficam ‘retidos’ por mais tempo, prolongando assim o período de permanência aderido à pele. O provável gatilho para o início da queda seria o aumento da visualização da luz solar através dos caminhos neurais que ligam os olhos ao cérebro”, salienta a tricologista.

A especialista ainda destaca: “Um gatilho para este tipo de queda seriam viagens em locais de grande exposição solar, com dias mais longos, comparados aos locais com menor duração do período solar”. Além disso, por esse tipo de queda fazer parte de um ciclo biológico, não haveria como preveni-la ou impedir que ocorresse. “A boa noticia é que por tratar-se de uma queda programada, para cada fio que se desprende existe um novo fio se formando logo abaixo.”

Outras causas

De acordo com a médica, existem outras causas de queda capilar que são preocupantes, pois levam a uma alteração do ciclo normal do cabelo. É o caso da dermatite seborreica do couro cabeludo, ou caspa, que tende a piorar nas estações mais frias como outono e inverno. “O aumento da proliferação fúngica no couro cabeludo pode piorar a queda de cabelo consideravelmente. Para evitar o seu surgimento é importante realizar a higienização do couro cabeludo com shampoos mais adstringentes e antifúngicos para uma limpeza profunda. Isso de uma a duas vezes por semana, dependendo da necessidade. Também lembrar que a aplicação de condicionadores deve ser apenas realizada no comprimento dos fios – da altura da orelha em direção às pontas”.

Outro ponto é evitar o uso de água quente durante o banho, dando preferência para uma temperatura de morna para fria.  A água quente estimula a produção de sebo pelas glândulas sebáceas, piorando a oleosidade do couro cabeludo e aumentando o ressecamento da haste dos fios.

Em alguns casos o tratamento apenas tópico não é suficiente, por isso a consulta médica é importante para avaliar a necessidade de medicações orais associadas e saber se a queda é pontual ou algo que precisa de um tratamento mais específico e prolongado.

Dra. Andrea Frange

Dermatologista Formada pela Universidade de Santo Amaro. Especialização em Tricologia pelo Hospital do Servidor Público Municipal.

Categorias
Cuidados com o cabelo

Carnaval: confira dicas e cuidados para pele e cabelo

Glitter, lantejoulas, sprays. É muito comum o uso desses produtos no Carnaval. Combinados a eles ainda tem a exposição excessiva ao sol. Tudo isso pode afetar – e muito – a pele e o cabelo. Assim, alguns cuidados são necessários para se jogar na folia e não sentir os efeitos negativos depois. Confira as dicas das dermatologistas Luciana Garbelini e Andrea Frange, da Clínica Luciana Garbelini, de São Paulo.

  • Reforce o uso de protetor solar. Repasse o produto sempre que o suor estiver excessivo ou quando a pele entrar em contato com a água. Além disso, incremente com a proteção física, como chápeu ou boné e roupas com fotoproteção ou de algodão (este último tem proteção solar equivalente aos tecidos específicos contra radiação ultravioleta).
  • Evite o uso excessivo de produtos autocolantes na face. Podem causar reação alérgica e ainda marcas na pele após a exposição solar. Se for usar, não esquecer de repassar o protetor solar sempre que possível para evitar essas manchas no rosto.
  • Use demaquilantes específicos para remover glitters e lantejoulas do corpo. Dê preferência aos demaquilantes bifásicos ou oleosos e use-o como se fosse um sabonete líquido para lavar o rosto. Não utilize algodão ou lenços para evitar o atrito com a pele.
  • Invista em maquiagens hipoalérgicas ou para peles sensíveis. O uso em excesso de maquiagens nessa época pode ser prejudicial, por isso é recomendado maquiagens mais suaves que não agridam tanto a pele. Evite compartilhar produtos e fique atenta a data de validade. É importante verificar a origem deles também: o mercado de maquiagem falsificada é assustador e um grande causador de dermatites de contato. O ideal é comprar em lojas conhecidas e confiáveis.
  • Use água termal na hora de retirar a maquiagem. É recomendado o uso deste produto diariamente para acalmar a pele agredida pelo sol ou pela própria maquiagem.

 

  • Teste os sprays de cabelo para saber se há alguma alergia ou reação adversa. Mesmo considerados tinturas temporárias que saem com a lavagem, estes produtos podem causar dermatite de contato, uma alergia causada no couro cabeludo por alguns componentes desses produtos, ou fotoalergia, reação causada quando em contato com o sol. Os sintomas podem ser coceira, irritação, vermelhidão, ardência e até descamação da pele. Por isso, é importante, primeiro, testar em pouca quantidade numa área pequena para saber se é seguro usá-lo.

Dra Luciana Garbelini

Dermatologista Formada pela Universidade de Santo Amaro. Residência médica em Dermatologia na Universidade de Santo Amaro, Pós-graduada em Estética Avançada no Instituto Superior de Medicina. Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Dra Andrea Frange

Dermatologista Formada pela Universidade de Santo Amaro. Especialização em Tricologia pelo Hospital do Servidor Público Municipal.

Categorias
Cuidados com o cabelo

8 dicas para cuidar dos cabelos durante o verão

Dra. Andrea Frange – Clínica Luciana Garbelini

É só chegar o verão que, automaticamente, a gente já pensa em sol, mar, piscina e muito bronze, certo? Mas é preciso tomar alguns cuidados básicos para que os cabelos não fiquem ressecados e quebradiços, já que todos esses elementos colaboram para que os fios percam a força rapidamente.

Essas agressões cotidianas causam uma degradação da saúde da fibra capilar, ainda mais se os seus cabelos frequentemente passam por procedimentos químicos, como tintura, clareamento ou progressiva, o que os torna frágeis em qualquer situação.

A boa notícia é que, se você não mantiver uma rotina de cuidados com os cabelos, eles vão continuar macios e brilhosos nesta e nas próximas estações. Para te ajudar na missão, revelamos 8 dicas simples de cuidados com os cabelos no verão que fazem toda a diferença!

1. Cuidados ao entrar na piscina ou mar

Saturar os fios com água doce antes de entrar no mar ou na piscina e aplicar cremes hidratantes sem enxágue, ajudam a minimizar os danos do sal e do cloro, além de manter os fios para cima, presos em coques altos, para evitar o contato contínuo com a água enquanto se banha.

“Assim que sair do mar ou da piscina é importante lavar os fios novamente com água doce, caso não tenha acesso fácil, a água de côco é uma boa opção, e reaplicar o creme hidratante idealmente que contenha filtro de proteção solar”, orienta a Dra. Andrea Frange, dermatologista da Clínica Luciana Garbelini.

2. Evite banhos muito quentes

“A água muito quente do chuveiro, além de danificar a haste dos fios, piora a oleosidade do couro cabeludo. O ideal seria utilizar a água morna durante a lavagem e, se possível, aplicar o último enxágue com a água mais fria, isso ajuda a aumentar o brilho”, explica a especialista.

Na hora de secar os fios, tente não passar a toalha com muita força, porque o tecido pode deixar os fios quebradiços. Se puder, opte por um papel toalha, que consegue tirar o excesso de água e evita que os fios criem frizz. O papel também ajuda a dar mais definição para quem tem cabelos cacheados ou ondulados. E, para finalizar, prefira pentes de madeira, que desembaraçam o cabelo mais rápido e não quebra as fibras capilares.

3. Faça hidratação com mais frequência

Como o sol costuma deixar os cabelos mais frágeis e eles perdem queratina, fazer uma hidratação periódica é essencial para manter os cabelos saudáveis, fortes e resistentes. O ideal é fazer uma hidratação nos fios a cada 15 ou 30 dias, mas no verão esse número pode aumentar para que os fiquem protegidos e deve ser feita uma vez por semana. A hidratação nos fios pode ser feita tanto com máscaras, como com ampolas, que são feitas para deixar os fios mais macios e sem pontas duplas.

4. Proteja-se das agressões diárias aos fios

A lavagem correta para remover as partículas de poeira, poluição, células mortas e sebo é fundamental. Além de selecionar o shampoo específico para o seu tipo de cabelo, a massagem do couro cabeludo com a ponta dos dedos em movimentos circulares para espalhar o produto de forma homogênea ajuda a tornar essa limpeza mais efetiva. Enxaguar bem os fios, para evitar o depósito de resíduos de produto também é importante.

“Com relação à exposição solar, estudos mostram que a radiação UVA, UVB e luz visível causam alterações na cor e perda proteica da fibra capilar, portanto, a aplicação de produtos finalizadores que contenham filtro solar na sua composição, assim como, o uso de bonés e chapéus também ajuda a protegê-los”, orienta a dermatologista.

5. Cuidados para cabelos oleosos

Para quem tem o couro cabeludo oleoso, o uso de shampoos mais adstringentes para uma limpeza profunda, 1 ou 2 vezes por semana e a aplicação de condicionadores mais fluidos, aplicado apenas no comprimento dos fios (da altura da orelha em direção às pontas), seria o ideal.

Optar pelos finalizadores corretos também é importante, em geral os séruns e aquosos são preferidos por não prejudicarem o volume natural e não aumentarem a oleosidade.

6. Cuidados para cabelos cacheados e crespos

Cabelos cacheados e crespos são mais secos devido ao seu formato em espiral e apresentam maior dificuldade para que os óleos naturais produzidos na raiz lubrifiquem os fios e atinjam as pontas. Uma dica seria optar por shampoos de limpeza mais suave ou sem sulfato e, ao entrar no banho, molhar o cabelo e aplicar o condicionador nas pontas, antes de massagear o shampoo no couro cabeludo, isso ajuda a proteger os fios durante o enxágue. Além disso, ciclos de hidratação e nutrição com máscaras específicas devem ser feitas com mais frequência.

7. Fios mais claros e loiros

Os fios danificados pelo processo da descoloração perdem proteína e consequentemente densidade, tornando-se mais fracos e quebradiços. A reposição de queratina, principal proteína do fio, é fundamental, mas deve ser realizada com cautela, pois quando em excesso, torna os fios rígidos e sem maleabilidade. A hidratação, objetivando a reposição de água, bem como a nutrição, para a reposição de óleos também são igualmente importantes para intensificar o brilho, a maciez e a redução do frizz.

8. Elástico pode danificar os fios

Prender os fios, não só para aliviar o calor, mas também para reduzir o contato com o suor que prejudica a haste é interessante, porém alguns cuidados devem ser tomados, como por exemplo evitar a tração excessiva dos fios em rabos de cavalo excessivamente apertados, pois esse hábito pode ocasionar a perda permanente desses fios tracionados, condição conhecida como alopecia de tração.

Versão oringinal no site da Marie Claire

Olá! Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp