Protetor solar é seguro? Tudo o que você precisa saber sobre FPS

Protetor solar é seguro? Tudo o que você precisa saber sobre FPS

Filtro solar é realmente seguro? Quanto e como usar? Para quais tipos de pele? Essas e outras questões a toda hora vêm à tona, especialmente nesta época de verão. E há motivos para tantos questionamentos. “Há sempre novos estudos e novidades relacionados ao protetor solar”, diz a dermatologista Luciana Garbelini. De fato, a evolução do protetor solar é constante.  O primeiro foi criado na década de 1940 por um farmacêutico australiano chamado Benjamin Greene ainda de forma caseira.  Por volta de 1950 o primeiro filtro foi vendido em farmácias. Mas o FPS só se popularizou nos anos 1970 e chegou ao Brasil em 1984. Hoje, há uma variedade enorme nas prateleiras, com cores, texturas e FPS diferentes. A médica responde aqui 5 dúvidas comuns em relação ao FPS:

 

O filtro solar é seguro?

Recentemente, o FDA alertou sobre 12 compostos que devem ser evitados em protetor solares, visto que não existem estudos suficientes sobre sua biossegurança. Sabe-se que a oxibenzona apresenta reação alérgica e irritação, algumas outras substâncias químicas, como o metoxicinamato de octila e octissalato foram relacionadas a alterações endócrinas. Mas isso não significa que não seja seguro – para o FDA, não há informações suficientes para dar um aval. No Brasil, há uma rígida legislação da ANVISA em relação às substâncias permitidas e as concentrações máximas nos filtros solares. Essa determinação se baseia em estudos de risco toxicológico, sensibilização, absorção, irritação e mutagenicidade. Até o momento, não há evidências que os componentes estudados, nas quantidades recomendadas, levem a algum risco especí­fico para a saúde.

 

Há uso excessivo de protetor solar? Ou seja, há pessoas que usam mais proteção do que de fato necessitam?

O maior erro de quem usa protetor solar está na quantidade de filtro aplicada: a maioria das pessoas usa menos do que deveria. O Consenso Brasileiro de Fotoproteção, documento assinado pelos conselhos de dermatologistas do país, criou em 2013 a “regra da colher de chá”, que determina a proporção ideal de fotoprotetor para cada parte do corpo. “Rosto, cabeça e pescoço devem receber uma colher de chá de filtro solar cada um. Tronco e costas, duas colheres de chá cada”, diz a Dra Luciana Garbelini.

 

Há ainda o consenso de que o melhor é começar pelo FPS 30? Mesmo peles morenas?

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), o Fator de Proteção Solar (FPS) mais indicado para a população brasileira é de no mínimo 30.

 

Quem tem pele clara, com tendências a manchas, sardas, o que podem fazer para melhor proteção?

As medidas de proteção devem ser realizadas diariamente, mesmo que o dia esteja nublado ou chuvoso. A pigmentação pode ocorrer também com a luz visível, por isso, deve-se associar à fotoproteção filtros físicos. Outra medida importante é a reaplicação do filtro solar, para manter a proteção adequada durante todo o dia e a roupas, chapéus, bonés, óculos escuros, sombrinhas e guarda-sóis. Toda a medida que evite a exposição solar da região acometida deve ser estimulada.

 

Protetores orais são bons? Para quem?

Os fotoprotetores orais são ativos antioxidantes (vitamina C, vitamina E, carotenóides, polifenóis, extrato de Polipodium leucotomus, entre outros) reduzindo o dano celular gerado pela radiação solar, neutralizando radicais livres. Indicados como coadjuvantes na prevenção de manchas induzidas pelo sol. No entanto, não são substitutos dos protetores tópicos, são compostos complementares de fotoproteção, não existem evidências de que essas substâncias evitam a penetração da radiação ultravioleta na pele.

 

Qual o protetor solar ideal para cada tipo de pele?

Para peles secas, filtros com ação hidratante e/ou associados a vitamina E são super adequados. Para pele oleosa, indispensável os filtros com acabamento em “toque seco” associados à ativos que controlam a produção de sebo na pele, como a sílica, por exemplo. Para peles mistas, filtros fluídos com textura mais leve, como sérum, gel ou loção. “Importante lembrar que a maioria dos protetores é adaptada para pele mista e oleosa, o tipo de pele predominante na população brasileira”, finaliza a médica.

 

Sobre Dra. Luciana Garbelini

Dermatologista Formada pela Universidade de Santo Amaro. Residência médica em Dermatologia na Universidade de Santo Amaro, Pós-graduada em Estética Avançada no Instituto Superior de Medicina. Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.