Pele oleosa: mitos X verdades

Pele oleosa: mitos X verdades

Dermatologista Luciana Garbelini revela como se livrar do excesso de brilho indesejado e manter a cútis equilibrada, bonita e saudável

Matéria escrita com Revista Vogue Brasil 

 

Imagine o seguinte cenário: você faz toda uma produção de maquiagem para aquele evento e, distraída, no melhor da festa, se olha no espelho e se dá conta de que a maquiagem está derretendo graças ao excesso de oleosidade produzido por sua pele. Como consequência, uma profusão de cravos e espinhas acabam invadindo o seu rosto, o que acaba parecendo uma adolescência tardia.

 

Ao redor do assunto, existem uma infinidade de comentários, muitos deles totalmente erroneos ou infundados. Pra te ajudar a desvendar os mistérios da pele oleosa e da cicatrização de espinhas, batemos um papo com a dermatologista Luciana Garbelini, que revela o que é mito ou verdade sobre o tema.

 

A pele oleosa tem mais tendência a ter acne. Verdade!

A pele oleosa cria um ambiente favorável ao crescimento de bactérias e aumenta o bloqueio dos poros – provocado pela secreção sebácea excessiva. Devido a essas duas características, as lesões de acne se formam com maior facilidade. O tratamento acaba sendo o mesmo e medicamentos específicos agem promovendo a atrofia das glândulas sebáceas, reduzindo a oleosidade e também as lesões.

 

Pele oleosa tende a ter menos rugas. Verdade!

É uma particularidade deste tipo de pele, que devido a camada mais espessa da pele, o aparecimento de rugas finas é menor, retardando os efeitos do tempo. Por isso, iniciar tratamentos com produtos anti-idade o quanto antes fará com que o surgimento das linhas de envelhecimento seja ainda mais tardio.

 

Quem tem a pele do rosto oleosa tem, necessariamente, a pele do corpo oleosa. Mito!

Apesar do que normalmente se pensa, quem possui maior oleosidade no rosto não necessariamente apresentará esse aspecto em outras partes do corpo. A maioria dos brasileiros possui o corpo seco e a face oleosa, que é a área de maior concentração de glândulas sebáceas.

 

Quem tem a pele oleosa tem o cabelo oleoso. Verdade!

As áreas mais ricas em glândulas sebáceas, que produzem a oleosidade, estão na face, no couro cabeludo e na parte superior do tronco. Por isso, quem apresenta pele oleosa tem mais chance de ter as madeixas com o mesmo problema, e vice-versa.

 

Peles oleosas também devem usar hidratante e filtro solar. Verdade!

A pele oleosa possui um hidratante natural, mas isso não dispensa o uso de hidratantes, o principal a se pensar é o veículo a ser utilizado. Se o hidratante em sérum se adapta com maior facilidade, a dica é apostar em produtos que promovam a sensação de toque seco. Já o protetor solar não agrava o aspecto luminoso da pele, mas também deve ser usado o produto na versão oil free e de rápida absorção. O mais importante é que o paciente faça uma higiene adequada antes de dormir para remover todos os excessos de produtos.

 

Existem alimentos que deixam a pele ainda mais oleosa, como o chocolate. Verdade!

A alimentação também pode influenciar na oleosidade da pele. Alguns alimentos estimulam a produção de secreção pelas glândulas sebáceas. A maioria das pessoas percebe relação entre o surgimento de acne com períodos de excessos alimentares de doces, alimentos gordurosos e derivados de leite.

 

Esfoliar a pele oleosa ajuda a remover cravos e desobstruir poros. Verdade!

A esfoliação remove a camada mais superficial da pele e, por consequência, desobstrui os poros. Já a remoção de cravos na face, redução do brilho e da oleosidade são apenas momentâneas.

 

Quem tem pele oleosa deve lavar o rosto sempre que possível. Mito!

Não há necessidade de lavar o rosto mais do que duas vezes ao dia, a não ser que o paciente sinta muito incômodo. Repetidas lavagens não resolvem o problema. O que sugerimos é o uso de sabonetes específicos pela manhã e ao deitar, já que esses produtos, em geral, têm compostos que auxiliam na remoção das células mais superficiais e na redução da oleosidade, diminuindo o brilho. E na hora de lavar o rosto lembre-se: a água quente resseca a pele, enquanto a fria mantém a hidratação natural.

 

Versão original no site da Vogue  

 

O que significa MD CODES?

Olá pessoal, aqui é a Dra. Luciana Garbelini, medica dermatologista e sei que você provavelmente já ouviu falar de MD CODES, não é mesmo?
Hoje eu vou tirar todas as suas dúvidas sobre essa técnica revolucionaria de preenchimento facial!

MD CODES significa códigos médicos, eles são pontos estratégicos do rosto para aplicação de ácido hialurônico com efeito lifting, sem apenas preencher aquelas rugas ou sulcos, como era feito antigamente com o ácido hialurônico.

Eles são determinados para cada pessoa, quais são os melhores pontos de aplicação de ácido hialurônico após uma avaliação individual de analise facial, realizada pelo seu médico dermatologista.

Pontos estratégicos do rosto para aplicação.

Para quem é indicado MD CODES?

A indicação é para a partir dos 30 anos, quando nós já começamos a perder alguns conjuntos de gordura do rosto, que conferiam sustentação e forma, então a partir dessa idade nós já temos essa indicação de realizar a aplicação de ácido hialurônico com a técnica MD CODES.

O efeito da aplicação é observado quase que imediatamente após a aplicação, e a duração é de até 1 ano e meio (18 meses).

Caso você ainda tenha alguma dúvida dessa técnica revolucionaria, marque uma consulta para avaliação em nossa clinica

E não deixe de nos seguir em nossas redes sociais 🧡:

Instagram | Facebook | Youtube